Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

Tome o bonde 28 para passear pela Lisboa histórica

Os bondes amarelos rangentes da empresa de transporte público Carris parecem pertencer a um museu. Eles são uma das melhores maneiras de passear pela cidade. O bonde 28 é famoso, levando os passageiros por uma viagem de 40 minutos ladeira acima (ou abaixo) por bairros antigos como Graça, Alfama e Baixa, passando por pontos históricos, incluindo a catedral e o castelo. Todos a bordo!

Lisboa é uma das capitais mais baratas da Europa Ocidental. Mas isso não se aplica necessariamente ao transporte: um passeio num ônibus turístico de dois andares custa cerca de 15 euros. O passe diário de 6 euros para o bonde é uma solução muito mais barata e lhe permite andar de bonde por toda a cidade por um dia inteiro. Nem é surpresa que a linha 28 seja tão popular entre os turistas. Embarque no bonde antigo amarelo e sente-se para uma rápida e sacudida viagem pelas ruas tortuosas de Lisboa.

Explore a histórica Lisboa de bonde
Explore a histórica Lisboa de bonde

Lisboa

Elétrico 28: a rota turística

A partir da introdução do primeiro bonde puxado por cavalos, em 1873, a rede de bondes de Lisboa cresceu enormemente. Na década de 1950, existiam 27 linhas de bonde, das quais hoje só restam cinco. O Bonde 28 – chamado pelos moradores de “Elétrico 28” – é a linha mais popular e vai da Praça Martim Moniz ao bairro de Prazeres.


Segundo a tabela de horários, a viagem deveria levar 40 minutos, mas na verdade o bonde de madeira muitas vezes leva horas para fazer as muitas curvas nas ruas estreitas com um declive de mais de 14 por cento. Pelo caminho, o bonde passa por várias atrações, como o Castelo de São Jorge, pendurado na colina mais alta de Lisboa. Salte aqui e combine uma visita ao castelo centenário com uma xícara de café no Miradouro Largo das Portas do Sol, um terraço panorâmico com vistas espetaculares do bairro de Alfama e das águas azuis do Rio Tejo. Depois, o bonde desce pelas ruas medievais de Alfama para o bairro antigo da Baixa, passando pela Catedral da Sé, outra atração imperdível onde vale a pena fazer uma parada.


A viagem continua pelo charmoso Bairro Alto para o Chiado, um bairro de artistas, e termina em Campo de Ourique, seu ponto final. O mercado diário de alimentos atrai clientes que vêm comprar vegetais, frutas, peixe e carne frescos. À tarde e à noite, o mercado atrai jovens descolados, na faixa dos 30 e poucos anos, que vêm para cá para comer e beber – o lugar perfeito para uma refeição tardia. Bem em frente ao ponto final fica o Cemitério dos Prazeres, onde estão sepultados muitos portugueses famosos. Vale a pena visitá-lo antes de tomar o bonde de volta para o centro da cidade.

Os bondes amarelos têm mais de um século de idade