Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

No ritmo do Motown Museum

Diana Ross & The Supremes, The Jackson Five, The Temptations, Stevie Wonder: esses são apenas alguns dos nomes que ficaram mundialmente famosos com a Motown. Em 1959, Berry Gordy fundou sua gravadora de discos Motown em duas casas simples no West Grand Boulevard, em Detroit. Acima da porta ele pendurou um cartaz que dizia: “Hitsville USA” (“Vila Sucesso EUA”, em tradução livre). Arrogante? Talvez, mas com certeza ele mostrou que estava certo.

Gordy tomou emprestados US$ 800 de sua família, transformou a garagem em um estúdio e sua cozinha em uma sala de controle, e assim nasceu a gravadora de discos Motown. O nome mundialmente conhecido é uma combinação de “motor” e “town” (“cidade”): Detroit, o centro da indústria automobilística, também era conhecida como Motorcity, e Gordy preferiu a palavra “town” à “city”. As duas casas onde Gordy fundou sua gravadora sediam agora o Motown Museum.

Detroit: o berço da gravadora de discos Motown
Detroit: o berço da gravadora de discos Motown

Detroit

Um novo som fascinante

Pouco depois de fundar sua gravadora, Gordy conquistou seu primeiro sucesso. “Money (That’s What I Want)” de Barrett Strong frequentou as paradas de sucesso nos anos 1960 e atingiu o segundo lugar na Billboard R&B Chart. Nos anos seguintes, mais sucessos vieram, incluindo “My Girl” por The Temptations, e em 1968, cinco dos 10 discos na lista Billboard Hot 100 eram de artistas da Motown. A gravadora também mudou radicalmente a visão dos brancos norte-americanos sobre a música negra. O novo som fascinava tanto a juventude branca quanto a negra. Logo, a Motown, que representava artistas que em sua maioria vinham dos guetos de Detroit, tornou-se a empresa afro-americana mais bem-sucedida dos Estados Unidos.

“Talvez eu possa criar um lugar onde uma criança entre por uma porta como uma desconhecida, e saia por outra porta como uma estrela - Berry Gordy, fundador da Motown”

Hitsville USA

Um lar longe de casa

Hitsville USA era também amorosamente chamada “Motown U” porque a gravadora parecia um campus universitário. Os artistas não só gravavam seus álbuns aí, como ensaiavam suas coreografias e aprendiam etiqueta com a Sra. Maxine Powell. Se os músicos não estivessem trabalhando, ficavam à-toa na varanda, ou jogavam basebol ou tênis de mesa. Hitsville USA ficava aberta 24 horas por dia. Para muitos, era um “lar longe de casa”. Depois de inúmeros sucessos, a gravadora estava explodindo de gente e, finalmente, em 1968, a Motown se mudou para um escritório maior no centro da cidade.

Cantar no Studio A

O Motown Museum ainda emana uma atmosfera dos dias de glória da gravadora. Visite o estúdio de gravação original (Studio A) e a sala de controle onde muitos grandes artistas gravaram seus álbuns. Imagine que você é uma grande estrela e cante algum pedaço de sua canção favorita da Motown. Observe o linóleo desgastado pelas batidas de pés de tantos artistas. O museu é decorado com fotos e álbuns. Estão também em exibição trajes originais usados por artistas famosos, incluindo um dos chapéus de Michael Jackson. Uma visita vai fazer você perceber o quanto é incrível que uma casa tão pequena tenha gerado tantos sucessos imensos.

Studio A

Créditos das fotos

  • Hitsville USA: FunkBrothers, Flickr
  • Studio A: John Kannenberg, Flickr