Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

A beleza do Villa Borghese

O Villa Borghese é o maior parque de Roma e um lugar perfeito para fugir da agitação da cidade. Entre os caminhos e canteiros você encontrará esculturas, fontes e templos. A maioria das pessoas vai ao parque para visitar seus três museus: a Galleria Borghese, o Museo Nazionale Etrusco e a Galleria Nazionale d’Arte Moderna. Não é à toa que ele também é conhecido como o parque dos museus.

É difícil imaginar, mas essa área já foi uma grande plantação de videiras. Em 1605, ela foi transformada em um parque para o cardeal Scipione Borghese. A extensa coleção de arte do cardeal foi reunida na Villa Borghese, que ele mesmo projetou e que recebeu o seu nome. A mansão foi concebida para refletir uma vila romana clássica, e o parque ao redor foi dividido em três seções: uma floresta, um segmento artístico e uma área selvagem e natural.

A Villa Borghese no parque homônimo
A Villa Borghese no parque homônimo

Roma

Galleria Borghese

Esse é, sem dúvida, um dos museus mais impressionantes de Roma. O imponente Villa do século XVII abriga a extensa coleção de arte do cardeal Scipione Borghese e inclui obras de mestres como Caravaggio, Bernini e Botticelli. É a introdução perfeita à arte do Renascimento e o início do período barroco. O cardeal tinha preferência principalmente pela arte clássica e contemporânea, e por esculturas antigas.
Embora a casa tenha 20 salas, é de um tamanho viável. O andar térreo possui principalmente esculturas, como o famoso "David" de Bernini, além de afrescos e pisos de mosaico romano. O segundo andar é composto pela Galleria Borghese, com a arte renascentista de mestres europeus. Entre elas está a tela La Deposizione di Cristo pintada por Sanzio Raphael. Devido à sua enorme popularidade, há um limite máximo de visitação diário, por isso é recomendada a reserva com antecedência.

A impressionante fachada da Galleria Borghese
Vaso etrusco

Vasos etruscos e arte moderna

Também vale a pena visitar os outros dois museus do parque. Os entusiastas de arte contemporânea irão adorar a Galleria Nazionale d’Arte Moderna. Ela apresenta principalmente obras dos séculos XIX e XX, com ênfase em artistas italianos, assim como em nomes famosos, como Kandinsky, Mondrian e Pollock. O fabuloso Museo Nazionale Etrusco expõe obras de arte desde o período pré-românico, como uma variedade de vasos etruscos. Ele está situado na mansão Villa Giulia, que remonta a 1553 e foi usado como a residência de verão do Papa Júlio III.

Jardins secretos

Uma característica típica de muitos parques e jardins italianos dos períodos da Renascença e Barroco são os giardini segreti ou os jardins secretos. Esses lugares escondidos, muitas vezes perto da casa do proprietário, transmitem sensações de romance e serenidade. Os jardins eram secretos porque apenas o proprietário podia ter acesso a eles e não o público em geral. A Villa Borghese tem dois desses jardins ocultos: o Giardino dei Melangoli e o Giardino dei Fiori. Os jardins são adjacentes à Villa, mas não estão sempre abertos para os visitantes. Porém, é possível ter uma visão desses retiros através das cercas.

Os jardins da Galeria Borghese