Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

As mentes brilhantes de Harvard Yard

Este talvez seja o canto mais erudito da América: a área de 9 hectares que liga várias partes da Harvard University em Boston. Harvard Yard abrange bibliotecas universitárias, dormitórios de estudantes e salas de leitura. Uma caminhada pelo parque é uma introdução agradável à grandiosidade de uma das mais prestigiosas universidades dos Estados Unidos.

Harvard Yard data dos primórdios do século XIX. A grande área gramada cercada é o centro histórico do campus e sua parte mais velha. Parte de Harvard Yard chama-se agora Old Yard. É aqui que se localizam os dormitórios dos calouros, bem como o Massachusetts Hall, que data de 1720 e é o segundo prédio universitário mais antigo dos Estados Unidos. Esta elegante construção abriga o gabinete do Presidente da Harvard University.

Portões de entrada com uma história

Harvard Yard possui 25 portões de entrada de pedra e ferro forjado, cada qual prestando homenagem a uma turma de alunos do fim do século XIX. A tradição de dar a cada turma seu próprio portão de entrada formou-se em 1889. O empresário Samuel Johnston, que se formou em Harvard em 1855, arrecadou fundos para construir um portão que transmitisse grandiosidade e status. Em valores atuais, o “Johnston Gate” (Portão Johnston) custou 250 mil dólares. O projeto foi concebido pelo arquiteto Charles McKim, ex-aluno que não completou os estudos em Harvard. Seu estilo “neogeorgiano” tornou-se muito popular; outros portões e prédios universitários no campus foram mais tarde construídos no mesmo estilo.

O gramado: um oásis para alunos e visitantes

Concebido para todas as estações

O parque, com seus edifícios universitários distintos, pode ser visitado o ano todo. Na primavera e no verão, o verde da grama e das árvores contrasta lindamente com os edifícios de tijolos vermelhos do campus. Sentados em cadeiras coloridas de jardim espalhadas pelo parque, os alunos discutem sobre seus cursos e a vida em geral. No outono, o parque se transforma num mar de tonalidades vermelhas e castanhas. E no inverno, a neve cria um cenário romântico que parece sair diretamente de um romance de Charles Dickens.

Um conto de fadas de inverno
A estátua de John Harvard

“É costume que os estudantes toquem o sapato de John Harvard para atrair boa sorte nas provas”

A estátua das três mentiras

A estátua de John Harvard é um dos lugares mais populares do campus. Um grande número de turistas e estudantes a caminho de uma prova importante irá esfregar a ponta de seu sapato esquerdo para ter boa sorte. Mas a escultura não é o que parece e é também chamada de estátua das três mentiras.


A primeira mentira é que o homem não é John Harvard. Ninguém sabe exatamente qual era a aparência dele; outra pessoa posou como modelo para a estátua, que foi criada em 1884. E, embora o pedestal tenha gravadas as palavras “Founder of Harvard” (Fundador de Harvard), John Harvard não foi o fundador dessa famosa universidade. Ele foi um dos primeiros benfeitores da universidade e doou metade de sua propriedade, assim como sua biblioteca, composta por mais de 400 livros. A terceira mentira está escondida no ano que está escrito no pedestal: 1638. Harvard não foi fundada em 1638, mas em 1636 – o que faz dela a universidade mais antiga dos Estados Unidos.

O sapato esquerdo gasto de John Harvard

Créditos das fotos

  • O gramado: um oásis para alunos e visitantes: Jannis Tobias Werner, Shutterstock