Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

O Getty Center: o museu como obra de arte

Utilizando pedra, vidro e metal (e um orçamento de 1 bilhão de dólares), o arquiteto Richard Meier criou o Getty Center. O museu fica no alto de uma colina e os visitantes são atraídos para lá não só por sua ampla coleção de arte, mas também pela magnífica arquitetura.

O magnata do petróleo, J. Paul Getty era um ávido colecionador. Sua coleção particular foi avaliada em milhões de dólares, e em 1954 ele abriu o J. Paul Getty Museum. O museu foi instalado em uma parte de sua vila em Malibu. A coleção de arte rapidamente ultrapassou a capacidade da vila, e Getty incorporou uma segunda mansão, a Getty Villa, que continua aberta ao público. Infelizmente, ele morreu antes de que a construção ficasse pronta, mas doou grande parte de sua fortuna para o museu. Uma grande parte dessa quantia foi investida no Getty Center, inaugurado em 1997.

O J. Paul Getty Museum
O J. Paul Getty Museum

Los Angeles

O Getty Center: arquitetura icônica

Obra-prima arquitetônica

O complexo todo consiste de 11 prédios cercados por belíssimos espaços externos, fontes e esculturas. A coleção de arte de Getty é tão grande que as quatro salas de exposição no Getty Center exibem apenas parte dela. No entanto, muitas pessoas vêm aqui não só pela arte, mas também pela arquitetura peculiar. O arquiteto Richard Meier combinou as superfícies brancas suaves – sua marca registrada – com materiais mais tradicionais, para refletir o sentido da coleção Getty. Predominam as linhas horizontais e formas quadradas. Há tours especiais de arquitetura que ressaltam a visão e a técnica do arquiteto, detalhadamente.

O som da água

O belo Central Garden (Jardim Central), no coração do Getty Center, foi projetado pelo artista Robert Irwin. Uma trilha conduz os visitantes pelo jardim e acompanha um leito d’água que termina desembocando num espelho d’água com um labirinto de azaleias. Ao longo do caminho, preste atenção nos sons mutantes da água: as pedras dentro d’água foram cuidadosamente colocadas para criar vários efeitos sonoros. As plantas junto da água também foram especificamente escolhidas por sua textura e cor.

Os jardins do Getty Center
“Íris” de Van Gogh no Getty Museum

Coleções internacionais no museu

A coleção do museu está distribuída pelos 4 prédios: os Pavilhões Norte, Sul, Leste e Oeste. As mostras incluem arte europeia e norte-americana, da Idade Média aos dias atuais. Obras de pintores famosos, como Van Gogh, Cézanne, Rembrandt e Renoir adornam as paredes. Além de pintura, Getty também colecionava esculturas e arte decorativa. Uma das peças mais conhecidas da coleção é a estátua de bronze de Vênus e Cupido, criada pelo escultor italiano Jacopo Sansovino em 1550.

Experimente o sabor do deserto

Localizado logo depois do Pavilhão Oeste, o South Promontory (Promontório Sul) é uma réplica de uma paisagem do deserto. O jardim está cheio de plantas em vários tons de azul, roxo e cinza, perfeitamente integradas à vegetação do resto da colina. Desse ponto se descortina uma linda vista da cidade. O arquiteto projetou cuidadosamente cada detalhe. Da área de estacionamento na base da colina, os visitantes embarcam num bonde elétrico que os transporta até o Getty Center. O arquiteto Meier projetou o bonde para literalmente mover as pessoas para fora de suas rotinas diárias.

O Getty Center, cercado por vegetação

Créditos das fotos

  • O Getty Center: arquitetura icônica: Visions Of America LLC, 123rf
  • Os jardins do Getty Center: Getty Center