Parece que o seu navegador está desatualizado.
Para utilizar todas as funcionalidades de KLM.com de forma segura, recomendamos que você atualize o seu navegador ou que você escolha um diferente. Se continuar com esta versão, é possível que partes do site não sejam exibidas adequadamente, ou que nem sejam exibidas. A segurança de seus dados pessoais também é melhor garantida com um navegador atualizado.

 

O Guggenheim Museum

O Guggenheim Museum em Nova York foi inaugurado em 1959, cercado de polêmica na época devido ao seu design. O prédio redondo era completamente diferente de tudo que se via na cidade de então. Hoje o Guggenheim em Nova York é um dos museus mais importantes do mundo – por sua localização, arquitetura exclusiva, coleção de arte e muito mais.

A coleção foi reunida por Solomon R. Guggenheim, com assessoria de sua consultora de arte, Hilla Rebay. Ele criou também a Fundação Solomon R. Guggenheim para fomentar a apreciação da arte moderna. Isto possibilitou que seu trabalho continuasse depois de sua morte. O Guggenheim em Nova York foi o primeiro de uma série de museus com o mesmo nome. Existem atualmente mais 4 museus Guggenheim no mundo: em Veneza, Bilbao, Berlim e Abu Dhabi. Mas somente o museu de Nova York emana a rica história desse grupo tão especial de museus.

O museu redondo da Quinta Avenida

Obra-prima arquitetônica

As linhas orgânicas do museu contrastam profundamente com os arranha-céus retangulares da Quinta Avenida. Sua forma redonda peculiar lhe valeu o apelido de “xícara de chá” (“tea cup”). O arquiteto norte-americano Frank Lloyd Wright projetou o prédio em 1943. Wright não era fã de Manhattan e queria criar paz e amplidão com seu museu. Uma de suas técnicas foi dobrar a largura da calçada em frente ao prédio. O ano inteiro, as pessoas sentam-se no muro baixo em frente ao museu para almoçar. O museu foi o coroamento do trabalho de Wright, mas, infelizmente ele nunca viu seu projeto pronto, porque morreu seis meses antes da inauguração em 1959.

Um interior incomum

O Guggenheim não surpreende só externamente, mas também em seu interior. Tudo é redondo, e, para ver as obras de arte, os visitantes caminham de alto a baixo através de uma rampa contínua espiralada – verdadeiramente exclusivo! Mas o edifício abriga mais aspectos engenhosos de design: o teto da entrada foi deliberadamente construído baixo. Isso faz com que a parte espiralada do museu (com iluminação natural no telhado) pareça maior e mais alta do que realmente é. Uma ilusão de ótica.

Os andares do Guggenheim Museum
O teto do Guggenheim Museum

Uma coleção de grandes mestres

A coleção do Guggenheim é uma impressionante reunião de obras-primas. Inclui a maior coleção mundial dos trabalhos do artista russo Kandinsky, com quase 100 telas e 60 trabalhos sobre papel. Muitas obras do Guggenheim foram recebidas por doação. Em 1976, Justin K. Thannhauser, um dos maiores colecionadores de arte moderna, legou ao museu por testamento várias obras-primas de Paul Cézanne, Edgar Degas, Picasso, Vincent van Gogh e de muitos outros.

Uma visita ao parque

Não foi por acaso que o Guggenheim – com sua forma orgânica – foi construído tão perto de um parque. O arquiteto planejou cuidadosamente seu desenho para garantir que o museu se encaixaria no ambiente natural do seu entorno. O prédio é em si uma peça de museu. Depois de visitar o museu, caminhe até o vizinho Central Park e passeie em torno do Reservoir, o lago construído no parque.

A “xícara de chá” perto do Central Park

Créditos das fotos

  • O museu redondo da Quinta Avenida: Sean Pavon, 123rf
  • Os andares do Guggenheim Museum: Joerg Hackemann, 123rf
  • O teto do Guggenheim Museum: Susan Peterson (123rf)